Arquivos

Camino – Por que fizemos com as crianças?

Todo mundo dizia: Mas que loucura levar as meninas! Três crianças pequenas! Vocês têm certeza?

O post de hoje é baseado em perguntas e comentários desse tipo. Se você não nos seguiu durante a viagem, corra e leia :) Começando pelo 1° dia. Vou enumerar algumas razões pelas quais levamos as meninas pro Camino, mas já começo dizendo que a pergunta não deve ser “por que levar as crianças?” e sim “por que não levar as crianças?

  • Nós gostamos de viajar

Antes de termos filhos, eu e o Esdras usávamos as nossas férias para sair e conhecer algum lugar diferente. Quando mudamos pra Irlanda também aproveitávamos todos os feriados pra viajar. E não somos do tipo que vai ver museu e tals, gostamos mais de ver paisagens naturais. Preferimos ver a criação de Deus, ou algo que tenha significado (como visitar as cidades onde temos família, ou onde nasceram os antepassados). E queremos que as nossas filhas compartilhem da nossa paixão. Essa não foi a primeira viagem que fazemos com elas. O Esdras inclusive leva as duas mais velhas (de 4 e 3 anos) pra acampar, desde que a Melissa tinha 2 anos. Eu não sou tão chegada em acampar, porque eu já durmo mal em casa, imagina numa barraca! Mas elas AMAM!

  • Crianças não são barreira para o que gostamos de fazer (elas são mais flexíveis que os adultos)

Pais que gostam de futebol não levam os seus filhos pro estádio? Ou “ensinam” o filho a torcer pelo seu time? Estamos ensinando as nossas filhas a gostarem de viajar do melhor jeito: viajando! Claro, quando se planeja uma viagem em família nós levamos em conta os interesses e as limitações de todos, não só dos adultos. Não esperamos que elas sejam capazes de fazer tudo o que nós fazemos, até por isso nós evitamos os trechos montanhosos do Camino (impensável empurrar carrinho com 2 crianças por lá, e elas também não andariam tudo). Mas é possível viajar e curtir! A cada viagem aprendemos mais sobre como lidar, quais atividades escolher, onde se hospedar, etc, então quanto mais a gente viaja, menos estressante fica, porque a gente já tá melhor preparado (e as nossas expectativas são mais realistas). Sinceramente, essa viagem do Camino foi menos estressante do que a viagem que fizemos pra Islândia em 2014, na qual ficamos hospedados em um hugar só e tínhamos um carro para locomoção. E nesse tipo de viagem que nós gostamos de fazer (preferindo a natureza) há muita margem pras meninas soltarem a imaginação. Não precisa ser um resort com parque aquático para ser divertido pras crianças, elas acham diversão até em pegar dentes-de-leão pelo Camino.

  • Tempo em família

Cá entre nós, tempo é uma coisa preciosa hoje em dia. São tantas as atividades! Eu não estou trabalhando fora mas também não paro o dia inteiro. E mesmo quando o Esdras está trabalhando de casa são raros os dias em que conseguimos sentar pra almoçar todos juntos. Então as férias são tempo pra passarmos juntos. Antes de irmos pro Camino nós preparamos as crianças. Em casa nós dormirmos em quartos separados, como disse nem comer juntos funciona todos os dias. Mas combinamos que durante as nossas férias nós comeríamos juntos, andaríamos juntos, dormiríamos juntos e falaríamos de Jesus pras pessoas juntos. Isso foi ótimo pra nos aproximar e termos tempo pra conversar, brincar e ouvir as meninas. Isso também ajudou a aumentar a confiança das crianças em nós. Não que elas não confiassem na gente, mas por exemplo, quando estávamos andando em lugares onde não tinha proteção entre a trilha e a estrada, falamos pra elas que elas não podiam andar porque era perigoso, e elas viam os carros passarem quase voando, então entendiam que nós queríamos o melhor pra elas. Elas também aprenderam a confiar que nós iríamos atender as necessidades delas sempre que possível (comida, banheiro, água, sono). São coisas que elas continuam seguindo mesmo quando voltamos pra casa.

  • Aprender a se adaptar às situações

Como eu já disse, nós não somos do tipo que viaja pra Resort, ou que faz passeios caros em lugares fechados. Nosso tipo de viagem é “budget” (barata) com algum conforto e pra ver paisagens, natureza. No começo da viagem ouvimos “ah, mas não quero comer isso”. Claro que em casa também ouvimos (quem tem criança sabe como é). Mas lá não tinhamos acesso a nossa geladeira, então não tinha alternativa, como às vezes tem em casa. Ou comia o que tinha, ou esperava a próxima refeição, provavelmente tendo que andar no meio tempo. Cada uma cuidando da sua mochila, e elas ainda tinham o privilégio de dormir enquanto nós andávamos, mas todos aprendemos que era pra comer o que tinha (respeitando as limitações de alergias alimentares), quando pudéssemos parar, e tomar banho e dormir só quando chegasse no hotel. Se o quarto do hotel tinha 3 camas, elas dormiam cada uma na sua cama, se só tinha 2, elas dividiam a cama. Se tinha berço, a bebê dormia no berço, se não tinha, a gente dava um jeito. Se o aquecimento funcionava, beleza! Se não funcionava, veste mais roupa pra dormir. Se tinha leite de soja, elas tomavam antes de dormir, se não tinha, tomavam suco ou água (ou nada!). E elas seguiram de boa, se adaptando muitas vezes melhor do que eu.

  • Por que o Camino, e não outra viagem?
Na verdade, poderia ter sido qualquer outra viagem, mas decidimos fazer essa! Novamente, a pergunta deve ser feita ao contrário: Por que não o Camino? Existe muito misticismo que ronda o Camino, mas a ideia original do Camino tem a ver com Deus. O Camino começou como peregrinação, como penitência, pessoas buscando o perdão dos pecados. Nós, os Alves Passos, cremos no que a Bíblia diz, então não acreditamos que andar o Camino nos faz merecedor de perdão ou da Salvação. A única coisa que nos faz receber o perdão dos pecados e a Salvação é crer que Jesus morreu pra pagar pelos nossos pecados (Atos 2:38 / 1 Pedro 3:18). Também não acreditamos que São Tiago pode nos abençoar, proteger ou perdoar. Uma senhora que nos viu passar por Ligonde disse “Estão andando o Camino com três filhas? É muito amor por Santiago!” Mas não, o nosso amor é por Jesus (como dissemos pra ela), pois a Bíblia diz que só Jesus pode mediar a relação entre os homens e Deus, que foi quebrada pelo pecado (1 Timóteo 2:5,6).
Jesus pagou o nosso resgate, e assim como aconteceu na conversa com essa senhora, nós usamos todas as oportunidades pra compartilhar essa verdade com as pessoas que encontramos pelo Camino. E essa é a nossa outra paixão: compartilhar a mensagem da Salvação em Jesus Cristo com as pessoas, onde estivermos. Queremos que as nossas filhas aprendam a amar isso também, então estamos tentando dar o exemplo em todo lugar. Eu escrevi um pouco mais sobre a motivação nesse post de preparação.

Nenhuma viagem com criança é sem preocupação e estresse. Sempre tem. Se esse não é o seu tipo de viagem, de boa, não faça, nem sem as crianças. Mas se é isso que você curte, e quer compartilhar com a sua família, inclua os pequenos no seu plano!

Você tem alguma pergunta? Quem sabe podemos tirar alguma dúvida mais pontual. Deixe o seu comentário. Se os comentários estiverem fechados neste post, procure o mais atual, mas não deixe de entrar em contato! Queremos que a nossa experiência ajude outros que estão planejando fazer o mesmo.

No próximo post da série viagens, coisas práticas que aprendemos fazendo o Camino com crianças.

______

“Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus.” 1 Pedro 3:18

“Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos seus pecados, e receberão o dom do Espírito Santo.” Atos 2:38

“há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, o qual se entregou a si mesmo como resgate por todos” 1 Timóteo 2:5,6

Leave a Reply